Resiliência e Aprendizagem – Desafios no Desenvolvimento Pessoal

O analfabeto do século XXI não será aquele que não consegue ler e escrever, mas aquele que não consegue aprender, desaprender, e reaprender.
Alvin Toffler

A vida é de fato, um constante aprendizado. Algumas coisas aprendemos por desejo, busca pessoal (falar um idioma, fazer uma especialização), outras surgem em momentos de descanso e relaxamento, no dia a dia (ao assistir um filme qualquer, ler um livro despretensioso e se deparar com uma informação real) e outras ainda, aprendemos de surpresa e até de forma brusca e dolorida.

O ser humano é uma esponja e desde bebê está a aprender algo e assim seguirá até o fim.

Resiliência no contexto da aprendizagem, nos remete à análise de como vivenciamos situações que nos induzam a aprender e o como somos impactados por estas situações.

Em situações de incertezas ou situações de stress tendemos a reagir de maneira automática, dando respostas de enfrentamento ou recolhimento, dependendo no nosso perfil e momento de vida.

Este é o pulo do gato.

Estar resiliente proporciona um olhar estratégico a tais situações, de forma que conseguimos nos colocar diante delas de uma maneira positiva e agregadora, onde obtemos ganhos através da aprendizagem que cada situação nos possibilita.

A aprendizagem, seja ela formal ou informal, desejada ou vivenciada de maneira compulsória, demanda o “estar resiliente” para que seja apreendida e para que possa ser praticável.

O que se aprende, mas que não se coloca em prática, que não provoque mudanças e que não seja multiplicado não tem relevância.

Considerando as áreas que estruturam a resiliência e pensando no constante aprender que é a vida, observamos o quanto as áreas da resiliência em equilíbrio contribuem para que haja ganhos a cada experiência vivenciada.

A flexibilidade é o produto que se obtêm quando aprendemos a desenvolver resiliência em diferentes áreas da vida.

Então, para esclarecer este conceito, confira quais são as oito áreas da vida que sustentam à resiliência:

  • Autocontrole: diante de situações de stress, nos proporciona a capacidade de mantermos a flexibilidade para absorver o que de positivo existe numa determinada situação.

 

  • Análise de Contexto: Contribui para que possamos dar “o peso” certo às mais diversas situações vivenciadas.

 

  • Autoconfiança: capacita o olhar pra si mesmo, proporcionando a consciência de suas habilidades de lidar com as situações e alcançando soluções efetivas e por sua vez, um novo aprendizado a cada vivência.

 

  • Empatia: Utilizar a reciprocidade e a comunicação como ferramentas de aprendizagem através das experiências vividas com outros.

 

  • Conquistar e Manter pessoas: Capacidade de ter e manter relações construtivas, fazendo delas uma constante troca de aprendizados.

 

  • Leitura Corporal: Autoconhecimento que proporciona o aprendizado e entendimento dos sinais de seu corpo, capacitando com que seja possível se equilibrar e buscar apoio em situações de estresse.

 

  • Otimismo com a Vida: Habilidade em ver e criar oportunidades de aprendizado em situações diversas e adversas.

 

  • Sentido de Vida: ter razão de viver e entender que a vida é feita de aprendizado constante. Valendo-se da razão de viver para que cada experiência resulte em aprender.

Estar resiliente é estar preparado para aproveitar a vida de forma plena, tendo em cada experiência vivida a oportunidade de um aprendizado novo: seja através de um livro científico, seja na observação das diversas cores que a natureza dispõe e ainda, através do universo do qual é constituído cada ser humano que cruza nosso caminho.

Para aprender mais sobre o assunto, você pode ter acesso de outros textos publicados aqui nesse link.

Sueli Faria
Sueli Faria Autor
Psicóloga cognitivo comportamental, especialista em Resiliência pela Sobrare e com atuação de mais de 15 anos no segmento de Formação e Desenvolvimento de Pessoas. Cuidar de pessoas, ajudando-as a obter equilíbrio e qualidade de vida é sua missão de vida.
follow me