O Perfil da Resiliência no Profissional de TI


17/11/2017 | Publicado por SOBRARE | Sem Comentários


Atualmente, temos clareza sobre a evolução e as constantes mudanças de cunho científico, tecnológico, econômico e cultural têm influenciado para que o ambiente se torne cada vez mais acirrado e competitivo dentro das organizações.

Essa pressão tem criado cenários desafiadores, vulneráveis, repletos de adversidade e estresse, que testam, diariamente, a capacidade dos gestores em lidar com os problemas, as adversidades e ainda serem flexíveis.

Pensando nesse cenário, Ernani José Praia Filho quis identificar e entender o perfil resiliente dos profissionais de liderança e, para isso, desenvolveu o estudo que vamos apresentar a seguir.

Neste estudo desenvolvido para o curso de especialização em MBA Executivo em Gestão Estratégica e Econômica de Recursos Humanos, da Fundação Getúlio Vargas, Ernani usou a escala QUEST_Resiliência®, da SOBRARE, para identificar o perfil de resiliência de líderes e gestores da área de TI.

Continue acompanhando o conteúdo a seguir para se conectar com esse importante estudo sobre a resiliência na área de TI.

Introdução do Estudo

Quando o pesquisador iniciou o seu projeto, logo identificou o mercado corporativo de TI como um ambiente em que as adversidades são constantes e as mutações podem influenciar nas relações humanas e de trabalho.

Neste contexto, a atuação da liderança se faz cada vez mais importante, pois líderes e gestores são os maiores responsáveis pela resolução de problemas e incentivadores de suas equipes. Ao mesmo tempo em que se torna altamente desafiador alcançar o sucesso e a efetividade em suas ações e transformá-las em resultados satisfatórios para a instituição.

Pensando nisso, Ernani desenvolveu esse objeto de estudo que tem como objetivo identificar o perfil com melhor resiliência de gestores e líderes da área de TI.

O Problema da Pesquisa

Dentro das organizações, os profissionais de gestão de liderança passam por diferentes situações de desafio e estresse: cobrança de seus superiores, solicitações de outras áreas, o treinamento de colaboradores, jornadas exaustivas, a sobrecarga das responsabilidades gerais, muitas vezes, também, não há autonomia e liberdade para tomada de decisão e, em consequência disso tudo, o medo de perder o emprego, a falta de tempo para a família, para cuidar de si mesmo e da própria saúde.

Também é esperado dos líderes e gestores que mantenham suas equipes motivadas e em desenvolvimento constante, além de serem considerados como referência para o estímulo de seus colaboradores.

Os profissionais responsáveis pela liderança de uma equipe devem estar em constante evolução, desenvolvendo suas competências e habilidades, sempre de forma equilibrada.

Em seu estudo, Ernani cita Mintzberg (2010), sobre o trabalho gerencial que é orientado para a ação: possui ritmo forte e exige relacionamento interpessoal, as atividades são variadas, fragmentadas e descontinuadas, os problemas são inesperados e intratáveis em determinadas ocasiões, gerando desgaste físico e psicológico.

Os líderes e gestores de TI fazem parte desse contexto.

Toda pressão gerada nos líderes e gestores pela entrega de resultados cria um padrão de como esses profissionais lidam com os riscos e o estresse do ambiente de trabalho.

Para exemplificar esse padrão, Ernani também traz a citação de Reggiani (2010), 97% dos profissionais da área de TI consideram seu trabalho estressante e são aqueles que mais sentem os efeitos do estresse do que qualquer outra atividade profissional.

Por não identificar uma metodologia de mensuração de comportamento resiliente na área de TI ou um processo de identificação do perfil de resiliência entre os líderes e gestores, filho questiona “de que maneira é possível identificar o perfil de resiliência dos líderes/gestores da área de TI?”

Para responder a seu próprio questionamento, o autor do estudo, explica sobre o objetivo de seu estudo e como foi desenvolvido, tópicos que veremos a seguir.

Os Objetivos do Estudo

De forma geral, o estudo tem como objetivo identificar o perfil de resiliência dos líderes e gestores da área de TI de um banco do Sistema Financeiro Nacional – SFN, utilizando como base a aplicação da pesquisa QUEST_Resiliência®, diante dos desafios, adversidades e situações de estresse que esses profissionais enfrentam no ambiente corporativo.

Especificamente, a pesquisa busca estudar o impacto da pressão e do estresse causados no perfil de resiliência da gerência da área de TI, refletir sobre a importância e os benefícios de se identificar o perfil de resiliência entre os líderes e gestores, contribuir para que os profissionais se conscientizem sobre a importância do desenvolvimento e do monitoramento contínuos das competências relacionadas com a resiliência, além de incentivar a aprendizagem organizacional por meio dos resultados da pesquisa.

A Aplicação da Pesquisa de Campo

A aplicação da pesquisa deste estudo foi desenvolvida com uma gerência de 20 líderes e gestores e foi adotado o pensamento científico de que “a resiliência é apresentada como uma capacidade de ser flexível no meio do forte estresse e que pode ser desenvolvida como uma competência por todo ser humano – o único responsável por atribuir significados adequados às suas crenças rígidas e promover a flexibilidade desejada”.

A análise dos dados obtidos por meio da pesquisa QUEST_Resiliência® foi feito com base na representação gráfica do padrão de resposta da gerência de oito Modelos de Crença Determinante (MCD).

Com a proposta de mapear a intensidade de cada uma dessas crenças que definem a intensidade o comportamento resiliente e mostrar como cada pessoa ou grupos estruturam seus Modelos de Crenças, ao longo da vida, atribuindo o significado das situações diante das adversidades que envolvem as angústias causadas pelo estresse.

Para explicar o padrão estabelecido no MCD, Ernani cita Barbosa (2014), os MCDs equivalem a estruturas cognitivas na memória inconsciente que estruturam a interpretação do que ocorre no mundo real e, quando há estresse, a intensidade provocada no padrão comportamental aparece de três formas: equilíbrio diante dos momentos de estresse, passividade nesses momentos de estresse ou intolerância também quando enfrentamos um momento de estresse.

Ou seja, guardamos em nosso inconsciente as memorias de nossa vida e vamos construindo nossas crenças e nosso modo de olhar o mundo. Quando estamos enfrentando uma situação de forte estresse esse conjunto de crenças determinam nossas atitudes de acordo com as três formas citadas acima.

O autor completa, a escala QUEST_Resiliência® assume que quanto maior for a harmonização dentro de um MCD e maior a coerência entre os oito MCDs, maior será a probabilidade da pessoa ou grupo agir com flexibilidade e, consequentemente, maior abertura para a resiliência se instalar e se consolidar nas atitudes e comportamentos de enfrentamentos de adversidades e alto nível de estresse.

Para identificar o perfil de resiliência dos líderes e gestores da área de TI, Ernani, baseou-se no mapeamento dos oito MCDs da resiliência, considerando as respostas do QUEST_Resiliência®, além do impacto no padrão comportamental.

Os Resultados da Pesquisa

Dos 20 gestores e líderes que responderam a pesquisa, 18 são do sexo masculino, enquanto apenas 02 são do sexo feminino.

Para contextualizar a importância desse dado, Ernani citou o resultado de uma pesquisa realizada pelo Hay Group no campo da Inteligência Emocional. Segundo a pesquisa, as mulheres superam os homens em habilidades intangíveis, entre elas: adaptabilidade, gestão de conflito, liderança inspiradora, influência, otimismo e, principalmente, empatia, autocontrole e autoconhecimento.

Com base nessa informação, conclui-se que a Inteligência Emocional feminina é muito importante para a liderança dentro das organizações.

Por isso, devido a esses primeiros dados levantados da bibliografia Ernani se questiona se há nos resultados da pesquisa, dados que revelem um desequilíbrio de gênero na gerência da área de TI.

A média de idade dos participantes da pesquisa foi de 43 anos, demonstrando que há experiência profissional e de vida para o enfrentamento de adversidades.

No que diz respeito ao estado civil, 16 líderes e gestores afirmaram serem casados, o que demonstra que as relações familiares estáveis têm grande influência na formação do comportamento com melhor resiliência desses líderes.

Outro ponto que confirma a importância da família foi que, ao responder sobre o fator Apoiador na Vida, todos os participantes do estudo consideram a família – ou algum integrante dela – como seu apoiador.

Você pode encontrar todos os resultados das pesquisas com gráficos e percentuais de cada MCD apresentados dentro do projeto, aqui está o link de acesso.

Conclusões Finais

 Diante das definições de resiliência elencadas em seu projeto e dos dados coletados em pesquisa, Ernani concluiu que é importante para líderes e gestores compreenderem que a resiliência é uma competência que implica em muito o Emocional, para que desenvolvam seus perfis, amadureçam continuamente o processo de enfrentamento das adversidades e do estresse.

Ao tomar essa consciência os líderes e gestores poderão aprimorar suas competências, que exigem treinamento e preparação. Dessa forma, esses profissionais vão contribuir para um melhor desenvolvimento de suas equipes e acelerar a evolução na área de TI.

Acreditamos que trabalhos como esse auxiliam o desenvolvimento pessoal e profissional, expandindo o conhecimento teórico e técnico sobre a resiliência dentro das corporações, por isso disponibilizamos o conteúdo completo do projeto para visualização no site da SOBRARE, acesse este link e confira.

SOBRARE

SOBRARE

Sociedade Brasileira de Resiliência, compartilhando conhecimento em resiliência e trazendo recursos necessários para que pessoas e organizações superem suas adversidades.

Mais posts



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *