Entenda os benefícios de estar resiliente – Entrevista Soraya Oliveira


17/10/2013 | Publicado por SOBRARE | 1 Comentário


Já vimos nesse artigo aqui no blog da SOBRARE o quanto é importante desenvolver resiliência e ter esse recurso para superar dificuldades e adversidades ao longo de nossas vidas. Vale lembrar que resiliente não é aquela pessoa que aguenta ser saco de pancada diante do estresse. Resiliência é enfrentar os momentos de adversidades, encontrando novos pensamentos e caminhos para determinada situação e assim sair fortalecido e amadurecido.

Resiliência não deve ser apenas um termo da moda como tem sido tratado pela mídia de massa. Estar resiliente deve ser algo a ser praticado constantemente e para isso devemos estar sempre atentos ao que acontece com as áreas principais de nossa vida que estão ligadas a resiliência.

No artigo de hoje, vamos apresentar um bate-papo com a Soraya Oliveira, profissional atuante na área do Coaching em Resiliência. A Soraya tem pesquisado e estudado sobre o tema da resiliência com frequência e atualmente ela tem se aprofundado na metodologia do Coaching em Resiliência. Nós da SOBRARE a convidamos para compartilhar um pouco sobre a sua experiência com a resiliência, a busca por estar resiliente e como é trabalhar com Coaching em Resiliência.

Para facilitar vamos disponibilizar o vídeo da entrevista e logo abaixo a entrevista descrita em formato de texto, escolha qual é a melhor para você!

Entenda os benefícios de estar resiliente – Entrevista Soraya Oliveira [texto]

Dr. George: Como o aprendizado dessa nova metodologia, Coaching em Resiliência, repercutiu em você em termos de olhar para a adversidade no dia a dia?
Soraya Oliveira: Foi engraçado, porque eu venho buscando melhorar minha atitude no dia a dia o tempo todo, e eu sempre me deparava com situações em que eu dizia “puxa, de novo eu estou reagindo desse jeito” e eu não conseguia entender o porque, achava que já tinha resolvido o problema e de novo caia na situação. Quando eu comecei a estudar a resiliência eu descobri o porque. O que acaba acontecendo é que na hora do estresse, o controle emocional deixa de estar na minha mão e nessa hora eu acabo reagindo de um jeito que eu não gostaria.
Quando eu entendi o que era resiliência descobri que não era o fato de que eu não estava bem, eu precisava realmente identificar qual era a causa que fazia com que esse controle saísse da minha mão e encontrar um modo de resolver isso e o processo de coaching me trouxe essa resposta, então foi e tem sido transformador.

 

Dr. George: Na experiência que você está falando, pelo que você está ressaltando, é possível ter diferentes causas e não ter o controle delas?
Soraya Oliveira: Sim. Quando você está em equilíbrio você consegue ter um plano de resposta já montado para uma determinada situação e até olhar as alternativas que você tem pela frente para decidir o melhor. Quando você não está em equilíbrio você perde o controle da emoção e sai da tua mão, você vai por base em caminho de crenças que funcionariam em um momento da sua vida e que naquela situação não funciona. Então a causa é identificar, digamos assim, esse piloto automático mal programado ou programado em um momento que não se aplica mais e reprogramar isso para o momento de hoje e conseguir agir de acordo com o que a situação realmente pede.

 

Dr. George: O Coaching em Resiliência é uma metodologia muito focada no enfrentamento ao estresse, embora em outros ambientes e contexto também se aplique. Mas o fato de ser uma metodologia focada no estresse chamou sua atenção?
Soraya Oliveira: Bastante! Bastante porque quando tudo vai bem, a gente não tem problema nenhum para resolver. O dia a dia não é assim, você faz um planejamento (eu trabalho com gestão de projetos), avalio os riscos, mas você vê que no dia a dia não é o que se estabelece aquilo que você colocou no plano. Então o problema surge e você tem que estar preparado para isso, e não basta estar preparado do ponto de vista do plano de projeto, você também tem que estar preparado você com aquilo. Pra mim foi fantástico o assunto resiliência e estar ligada a isso, porque me trouxe uma resposta para esse momento de estresse onde o comando foge da minha mão.

 

Dr. George: Essa sua fala me dá a oportunidade de abrir um outro leque nesta conversa, que é o seguinte: você é uma gerente na área de gestão de projetos, eu diria até sênior devido a sua experiência larga neste campo, vive e trabalha dentro de um mundo que é muito específico que é a TI (Tecnologia da Informação) e o profissional da TI vive em uma situação bem diferenciada. Você olhando para esse aspecto e tendo uma vivência dentro do mundo da TI com a metodologia, você vê algum ponto ou algum aspecto da metodologia que ressalta ou que você diz que é importante para quem está dentro dessa área?
Soraya Oliveira: Totalmente, hoje o profissional da TI está o tempo todo lidando com o fator prazo e com um paradigma interno que é fazer com qualidade. Estes prazos e custos muitas vezes não tem deixado o profissional fazer com a qualidade esperada, você tem que achar outras formas de entregar o mesmo produto com uma qualidade aceitável, mas você vai ter que moldar o seu método, não é mais aquele que você aprendeu, não é mais aquele que você estava acostumado, porque agora você tem que fazer mais rápido e tem que atender a uma expectativa.
Outra coisa, o profissional de TI não tem que entender mais só do Código ou só da gestão de projetos, ele tem que saber interpretar a demanda do negócio e conseguir conversar com o gestor e com o usuário nessa linha. E como ele consegue conversar com o gestor e entender o que aflige do outro lado e passar por cima da barreira da tecnologia, porque nem tudo é viável. Então tudo isso complexa o ambiente do profissional de TI e faz com que ele tenha que lidar com expectativas.
É nessa hora que ele está lidando com a adversidade, primeiro com ele mesmo por ter que fazer de um jeito diferente e em um prazo em que ele não concorda, talvez tenha que convencer o gestor de negócio a optar por uma outra alternativa que eu sei que ele não quer, mas que é o possível. Lidar com isso por achar que não tenho que convencer o gestor disso! Então, tudo isso é adversidade que a pessoa tem que lidar no dia a dia, está muito além daquilo que ele aprende na formação de tecnologia. Hoje a resiliência é algo que o profissional de TI tem que descobrir, primeiro que existe e segundo que tem como trabalhar, desenvolver isso e já, ele não precisa sair da área de TI para ser feliz, ele consegue fazer isso no dia a dia dele também se ele tiver as ferramentas necessárias. Isso é fantástico!

Entenda os benefícios de estar resiliente

Dr. George: E se pensarmos de que por ser um profissional de TI ele está acostumado à normatização e à regulamentação. A metodologia também traz aspectos nesse sentido, certo? Dos aspectos da metodologia, quais você diria que chama muita a atenção de ter/contemplar dentro dos instrumentos e das técnicas e que você destacaria como grande destaque?
Soraya Oliveira: Eu acho que o fato de ser prático. Eu já fiz outros processos de Coaching, conheci algumas ferramentas e já vivenciei como Coachee (cliente). Eu fico imaginando como seria entrar em uma sala para fazer uma visualização com um profissional de TI típico… isso não vai rolar, não vai dar certo (risos). Eu mesmo quando passei pelo processo achei bacana, me entreguei ao processo e no final eu descobri que aquilo não tinha sido totalmente efetivo quanto eu percebi o quanto é possível ser. Então, o profissional de TI não iria abraçar um negócio desses, ele iria passar pelo processo e absorver pouco. No caso da metodologia que eu conheci, o Coaching em Resiliência, ele é muito prático e objetivo. Você entra em uma sessão e o Coachee tem que se dedicar, ele escreve e cria a lógica dele e uma coisa que o profissional de TI tem é lógica, raciocínio e facilidade em fazer isso. Em uma sessão de uma hora ele sai com uma entrega, com ganhos verdadeiros que ele conseguiu delimitar, então isso é o que eu acho que chama mais a atenção para um profissional deste tipo, tecnologia em geral.

 

Dr. George: E como uma profissional de Coaching em Resiliência, como você tem se sentido? Para finalizarmos, o que tem sido essa experiência para você?
Soraya Oliveira: Pra mim tem sido transformador, ter passado por aquelas oito áreas da resiliência e ter percebido respostas que já estavam em mim e eu não percebia. Descobrir que, na adversidade que apareceu, eu consegui ter uma reação diferenciada… isso já pagou todo o investimento que eu fiz. Fora uma possibilidade de uma nova carreira em que me encontrei nesse processo, para agregar a profissionais principalmente na linha de TI e gerentes de projetos.

 

Soraya Oliveira é Coach em Resiliência formada pela SOBRARE. É especialista em gerenciamento de projetos, certificada PMP (Project management professional) pelo PMI e PRINCE2 Practitioner pela APMG. Formada em Tecnologia da Informação, MBA em Finanças pela FIPECAFI, atuante na área de Governança Corporativa, Governança de Projetos e de Planejamento Estratégico, com experiência em implantação e gerenciamento de Escritórios de Projetos e de Cultura Organizacional, com 24 anos de carreira em grandes empresas nacionais e multinacionais de Tecnologia da Informação, tais como BSI, COM BRAXIS CAPGEMINI e BRADESCO.

SOBRARE

SOBRARE

Sociedade Brasileira de Resiliência, compartilhando conhecimento em resiliência e trazendo recursos necessários para que pessoas e organizações superem suas adversidades.

Mais posts



1 Comentário

  1. Rosana Salles disse:

    Muito bom !!!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *