3 tipos de comportamentos do otimismo para com a vida


09/02/2017 | Publicado por SOBRARE | Sem Comentários


Você gostaria de ter flexibilidade para gerenciar mudanças com abertura para novas ideias, com entusiasmos e bom humor? Além de adquirir admiração daqueles que estão ao seu redor? Gostaria de enfrentar as adversidades com criatividade?

É bem provável que sim…

Caso tenha tido dificuldade em alcançar as questões citadas acima, pode ser que você esteja administrando o seu otimismo de forma exacerbada, sem equilíbrio. E essa forma de administrar as nossas crenças com relação ao otimismo pode impactar diretamente no modo em que agimos quando estamos diante de uma situação de estresse e precisamos desenvolver um olhar adequado para o nosso modo de avaliar os eventos com otimismo.

Sendo assim, o post de hoje irá buscar esclarecer alguns pontos com relação ao otimismo que desenvolvemos para com a vida e também como essa área se relaciona com a resiliência.

Continue lendo esse post, para saber mais sobre:
– O que é o otimismo?
– Como o otimismo é apresentado dentro da resiliência
– Os 3 tipos de comportamentos do otimismo para com a vida

OB81LR0

O que é otimismo?

O otimismo de um forma geral é a nossa crença de que as coisas vão dar certo. Diversas pesquisas tem sido feitas ao redor do mundo para avaliar o otimismo nas pessoas. Nos Estados Unidos, por exemplo, Jeremy Webb publicou um livro com um compilado de diversos estudos que envolvem o tema do otimismo.

Por meio desses estudos no campo da saúde, é possível entender que o pensamento positivo de que as coisas vão dar certo é capaz de nos ajudar a manter o corpo mais saudável. Um desses estudos, feito em 2001, revelou que o público da pesquisa que se comportava de forma otimista tinha metade das chances de desenvolver doenças coronárias.

Indo para o lado da Psicologia Positiva, no livro “Felicidade Autêntica”, Martin Seligman descreve que o otimismo é a nossa capacidade e habilidade de desenvolver novas percepções positivas a partir de acontecimentos negativos, dando a situação um novo significado.

Nós damos significados aos eventos que ocorrem ao longo de nossas vidas, e diante desses significados fazemos interpretações dos fatos. Essas interpretações estão diretamente ligadas a forma como lidamos e sentimos o estresse.

E é nessa interpretação que temos comportamentos. Alguns conseguem enfrentar as situações com otimismo e entusiasmos, com olhar de esperança. Já outros vêem os fatos com maior pessimismo, entendem os fatos como ameaças e sem esperança.

Claro que, como já dito anteriormente em diversos posts aqui no blog, não existe o certo ou errado. Ser otimista ou ser pessimista! Aquele que quer desenvolver resiliência precisa saber interpretar a situação e aplicar a melhor estratégia para diminuir o estresse. Em determinados momentos precisamos ser otimistas e em outros pessimistas. O segredo está no equilíbrio.

Otimismo para com a vida e resiliência

Para sermos mais específicos com relação ao otimismo e resiliência, o otimismo está diretamente ligado a um conjunto de crenças que refletem o investimento contínuo no entusiasmo e na convicção de ter a capacidade de controlar o rumo das situações que ocorrem em nossa vida. Acreditar mesmo quando esse controle não está em nossas mãos.

O otimismo para com a vida é uma área da resiliência que carrega diversas crenças que estão diretamente relacionadas com a esperança, com o bom humor, o entusiasmo e olhar a vida com perspectiva.

A resiliência nessa área promove a flexibilidade para gerenciar mudanças com abertura para novas ideias, experimentar entusiasmo e empolgação diante de desafios, gerir pessoas e situações com bom humor, adquirir admiração em liderança e olhar a adversidade com criatividade.

OGA5KJ0
banner-blog-mofu

Os 3 tipos de comportamentos do otimismo para com a vida

Quando conseguimos estabelecer uma condição de equilíbrio nessa área, temos a tendência de pensar com coragem e determinação. A postura é visionária e permite enxergar novas oportunidades, gerenciar situações que provocam incertezas, garantindo uma visão otimista do futuro.

Assim, passamos a cultivar uma crença consistente na possibilidade de transcender aos limites impostos pela situação recorrendo aos próprios recursos. Temos a capacidade de considerar que os problemas pessoais ou sociais são passíveis de uma solução global positiva, o que nos permite engajar com energia nos desafios e tarefas, resultando em uma atitude geral ativa, confiante e favorável ao alto desempenho nesta área com capacidade de se motivar e manter outros motivados.

Já quando agimos com demasiado pessimismo, a pessoa consegue trabalhar sozinha ou longe de ambientes que trazem altas exigências emocionais em suas interações. Porém, nesta condição ocorre a tendência de negativismo por não acreditar que possuímos soluções para situações com elevado estresse.Sendo assim, a resiliência nessa área se mostra extremamente prejudicada devido ao pessimismo e a tendência de demonstrar comportamento de desalento.

Por outro lado, quando agimos com o excesso do otimismo a resiliência também será prejudicada, pois passamos a ter a tendência de demonstrar um comportamento que atribui valor exacerbado aos acontecimentos da vida. Também é possível perceber que diante do estresse elevado, há propensão de comportamentos de otimismo extremados.

Dessa forma, desenvolvemos uma condição de hiperotimismo em relação aos desafios da vida, denotando um estilo comportamental propenso a defender nossas ideias ou opiniões com ênfase desmedida, denotando frágil ambiente para a resiliência nessa área da vida.

Concluindo, o otimismo reflete o investimento contínuo no entusiasmo e na convicção de ter a capacidade de controlar o rumo das situações que ocorrem em nossa vida. Podemos desenvolver comportamentos de pessimismo ou de hiperotimismo. O melhor é conseguir calibrar os dois lados buscando o equilíbrio e avaliando qual a melhor maneira de se comportar diante da adversidade.

E você? Geralmente tem qual tipo de comportamento com relação ao otimismo diante do estresse?

Se você acredita que esse post pode ajudar outras pessoas, compartilhe nas suas redes sociais:
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Google+
Compartilhar no LinkedIn

Até uma próxima!

Fonte:
A força do otimismo (http://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2014/08/forca-do-otimismo.html)
Otimismo Aprendido (http://www.psicologiapositivabr.com/artigos/57-otimismo-aprendido.html)
Relatórios Quest_Resiliência (SOBRARE)

Fotos: Freepik

SOBRARE

SOBRARE

Sociedade Brasileira de Resiliência, compartilhando conhecimento em resiliência e trazendo recursos necessários para que pessoas e organizações superem suas adversidades.

Mais posts



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *